3 cuidados exigidos pela malhação pré-verão

Para chegar ao verão em forma e sem causar danos à saúde e ao corpo é preciso seguir alguns cuidados. Conheça cada um deles!

Foto: Getty Images

Está aberta a temporada de malhação de olho no verão. Mas não é por isso que vale tudo para tirar o atraso da ginástica e ficar linda no biquíni. Faltando pouco tempo para a chegada da estação, use a cabeça para se exercitar.

Organize seu treino

A fórmula para emagrecer é combinar trabalho aeróbico e de resistência muscular, mas cuidado para não sobrecarregar o corpo. “Você pode ter os dois estímulos no mesmo dia, mas evite fazer uma sessão intensa de corrida depois de malhar pernas”, fala o professor Waldyr Maciel, da Reebok Sports Club, em São Paulo. “Nesse dia, prefira trabalhar outros grupos musculares, pois eles precisam de descanso para se recuperar”, diz.

Devagar e sempre

Aumentar bruscamente o tempo ou a carga dos treinos é o meio mais rápido para sofrer lesões, não para ficar em forma. “Troque o treino a cada 15 dias, que é o tempo que o corpo precisa para se adaptar”, explica Waldyr. A regra para aumentar o peso e as repetições na musculação é conseguir completar todas as séries.

Não estimule a transpiração

Vestir peça por cima de peça para suar mais é bobagem. Primeiro, você vai mandar embora água, não gordura, e correr o risco de ficar desidratada. Segundo, a pele não respira e pode apresentar alergias.

Fonte:  http://mdemulher.abril.com.br/

8 passos para cuidar da sua pele no banho

Tome um banho rápido: ficar horas mergulhada na banheira não é bom para a sua beleza.

banho

Que delícia, nesse friozinho, ficar embaixo daquela água quentinha… Opa, alto lá! Atenção ao tempo e à temperatura. O banho que você toma uma ou duas vezes por dia pode se tornar inimigo da sua beleza, dependendo de como você pratica o ritual. Veja como fazer tudo certo daqui para a frente com estas dicas reveladas por dermatologistas experts no assunto.

1. Controle a temperatura

Durante os meses mais frios, a umidade do ar diminui, fragilizando a barreira de proteção formada por água e óleo. "O banho muito quente remove essa camada lipoproteica que tem a função de evitar danos à pele, como o ressecamento", explica Ana Lúcia Recio (SP), membro das Academias Americana e Brasileira de Dermatologia.

Então, já sabe: nada de fumacinha no banheiro! Tome um banho morno, com temperatura entre 21 e 25 graus, que além de fazer bem para a beleza ainda tem efeito calmante e é recomendado para combater insônia e ansiedade.

2. Alterne duchas fria e quente

Chuveirada fria, forte e rápida acelera a circulação. Se for ntercalada com água quente (mas não muito), você lucra ainda mais: melhora a circulação, tonifica a pele e ganha muita energia. Faça isso por poucos segundos e, se conseguir, termine com um banho frio para garantir o pique total.

3. Pingue gotinhas de óleos essenciais

Eles possuem o conteúdo aromático de plantas e ervas e deixam a pele aveludada. Camomila, cedro, violeta, lavanda, rosa e manjerona têm efeito relaxante; já baunilha, manjericão, laranja, patchuli e lima são perfeitos para desestressar; alecrim, bergamota, eucalipto, gengibre, menta e pimenta negra funcionam como estimulantes; por fim, sândalo, jasmim, rosa e ilangue-ilangue têm poderes afrodisíacos. "Antes de despejá-los na banheira, dilua-os em óleos carreadores (aqueles que servem de veículo para transportar os óleos essenciais), como gérmen de trigo, jojoba ou semente de uva", ensina Samia Maluf, aromaterapeuta e aromatóloga, idealizadora da By Samia Aromaterapia (SP).

4. Escolha melhor o sabonete

Os líquidos são menos nocivos do ponto de vista cosmético tanto para rosto quanto para corpo, pois aceitam grandes concentrações de substâncias oleosas que agem como poderosos hidratantes, permanecendo na pele mesmo após a lavagem. "Além disso, eles podem ser formulados com pH mais próximo do fisiológico, ou seja, ao redor de 5,5", observa Adilson Costa, professor da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (SP), mestre e doutor em dermatologia. "E trazem menos compostos químicos", completa Eliandre Costa Palermo (SP), dermatologista e diretora da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica.

Os sabonetes em barra, exceção para os que trazem ativos hidratantes, tendem a apresentar pH elevado e substâncias cáusticas em maior concentração, eliminando muito do sebo natural e ressecando. Para a área genital os experts recomendam sabonete íntimo, que preserva o pH vaginal.

5. Só use sabão onde de fato precisa

Para não piorar a falta de água na pele, vale passar sabonete só nos locais que necessitam de uma assepsia caprichada: genitais, axilas e pés. Caso não resista a usar o sabonete em toda a superfície, escolha um que traga ingredientes hidratantes.

6. Tome um banho rápido

Ficar horas embaixo da água ou mergulhada na banheira não é bom para a sua beleza. Nessa época, o banho deve ser bem ligeirinho – de cinco a sete minutos. "Assim, você mantém o manto hidrolipídico da pele e, no cabelo, evita que a cutícula fique aberta e sujeita a ressecamento e frizz", destaca Ana Lúcia Recio. A retirada dessa capa desencadeia problemas cutâneos, como alergias e eczemas, que causam vermelhidão, descamação e coceira.

7. Nada de esfregar a superfície

Esqueça esponjas ásperas. "O esfrega-esfrega altera as condições físicas da superfície da pele e a torna irregular, pois quebra as ligações entre as células", explica Adilson Costa. Se as células estão todas unidas, funcionam como uma barreira física para reduzir a perda de água. A esfoliação, com bucha vegetal ou cosmético apropriado, é importante para a suavidade da pele, mas faça no máximo uma vez por semana.

8. Termine com óleo de banho

Para peles secas e normais, são indicados os óleos de abacate e castanha-do-pará. Já as oleosas devem priorizar os óleos de semente de uva ou amêndoas doces. Ao fim do banho, besunte o corpo molhado com o cosmético, enxágue e remova o excesso com uma toalha seca.

Foto: Dreamstime

Fonte: http://mdemulher.abril.com.br

Caminhe! Seu corpo agradece.

Nada melhor que estar em forma e bela para aproveitar tudo que a moda tem a oferecer, não é mesmo? Às vezes pensamos que para entrar em forma é preciso muito esforço, ou um treinamento especial, ou ainda um certo investimento financeiro. Porém, existem opções bastante simples e práticas que podem trazer resultados excelentes!!!

Escolhemos a reportagem abaixo para você ler e comprovar como uma caminhada pode trazer inúmeros benefícios para o seu corpo e ajudar a descarregar o stress. Você fica mais bonita e curte mais o seu lado “fashion”. Já diz o ditado: “Corpo são, mente sã”.

Fonte: publicado no portal UOL em 27/08/2010
Por: Enio Rodrigo

 

 

Uma grande parte das pessoas que pensa em iniciar uma rotina de atividades físicas opta por começar pelo básico. E o exercício mais básico, prático e barato que existe é a caminhada. Mas o que é melhor, caminhar pela manhã ou à tarde? E quantas calorias se gasta caminhando?

Caminhada: algumas dúvidas sobre melhor horário, dores e gasto calóricoAbaixo, Giulliano Esperança, educador físico e wellness manager, tira algumas dessas dúvidas para deixá-lo mais informado (e, esperamos, mais motivado) sobre essa atividade extremamente prazerosa.

Qual o melhor horário para caminhar?

De maneira geral, a parte da tarde é mais produtiva que a parte da manhã. Um estudo feito com nadadores – comparando a produtividade dos treinos – demonstrou isso.

Alguns cardiologistas recomendam que, quando existe algum problema cardíaco, o ideal é que as atividades esportivas, como a caminhada, sejam feitas à tarde. Isso porque as fibras cardíacas já estão mais aquecidas. Outros estudos, feitos por bioquímicos, também indicam isso.

Porém, o ritmo de cada um é importante: há pessoas matutinas e vespertinas, é preciso ver em qual período a pessoa se sente melhor e tem mais disposição. Além disso, há uma questão relacionada à caminhada e que é muito importante: o ambiente. A caminhada é feita, tipicamente, no ambiente externo – seja num parque, praça ou qualquer lugar perto de casa ou no caminho do trabalho – e, portanto, o clima influi na escolha do horário. As manhãs de inverno podem ser mais frias e a parte da tarde mais confortável para a atividade.

Devo comer antes de caminhar?

Sim, é importante se alimentar antes de um treino qualquer. No período matutino, logo pela manhã, o organismo aumenta a produtividade do hormônio do estresse. O ideal nesse ponto é que haja uma alimentação leve, evitando a gordura – que dificulta a digestão – como torrada, suco, iogurte e frutas. O mesmo vale para a parte da tarde, uma alimentação muito pesada pode dificultar o treino e não se alimentar também é ruim para o organismo.

Como determinar o quão rápido estou andando?

O ritmo ideal para que o treino seja benéfico para a saúde, independentemente da rapidez, é aquele onde você disputa o oxigênio com a fala, por exemplo. Quando fica difícil conversar e manter o ritmo é porque seu corpo está atingindo um nível de exercício que vai além do benefício cardiovascular, e está conseguindo queimar gordura. Esse ritmo rápido gira em torno dos 5 a 6 quilômetros por hora. Se der para conversar tranquilamente, então a atividade está muito leve.

Como sei que estou evoluindo no meu programa de caminhadas?

A primeira evolução em um programa de exercícios é a regularidade desses exercícios. Essa é a primeira vitória, independentemente de outros valores (como o quanto se queima de calorias, por exemplo). Com isso, a pessoa passa a ter dados para comparar realmente o quanto os exercícios estão sendo benéficos.

A partir disso, é preciso observar se, durante o mesmo percurso feito nos dias anteriores, ela está se sentindo menos cansada. Quando essa pessoa termina o percurso e pensa “poxa, está mais fácil, eu poderia andar mais um pouco”, ela está no caminho certo. Nesse ponto, pode-se pensar em aumentar o tempo ou a distância percorrida e assim por diante, talvez até mesmo iniciando uma rotina de corridas leves, se ela desejar.

 

Quantas calorias eu queimo por quilômetro andado?

Em termos bastante genéricos: em uma caminhada de 1 quilômetro, uma pessoa de 100 quilos, consumiria 87,5 caloria por quilo do corpo. Da mesma forma uma pessoa com 50 quilos vai consumir metade disso.

Esses valores estão de acordo com o Compêndio de Atividades Físicas do Colégio Americano de Medicina Esportiva, com uma caminhada vigorosa, a 6 km/h no plano, essa mesma pessoa vai consumir por volta de 0,08 caloria por minuto.

Isso porque os exercícios são divididos em Índices Metabólicos, chamado MET (existe uma tabela para esses índices, de acordo com o exercício). Caminhar no plano a 6km/h tem um MET de índice 5, por exemplo. Além disso, há uma constante chamada gasto calórico, que é de 0,0175.

A mesma conta ficaria, então, assim [(índice da atividade metabólica x peso x 0,01750) x minuto]. Fazendo a conta para uma pessoa de 100 quilos, digamos, que está com um sobrepeso médio, caminhando 10 minutos (e descontando o tempo de aquecimento e alongamento) teríamos o gasto de [5 MET x 10 min. x 100 kg x 0,0175] = 8,75 calorias por minuto, totalizando 87,5 calorias nesse período de 10 minutos.

A referência para tudo isso que falamos é um livro chamado Compendium of Physical Actives: An Update of Activity Codes and Intensities, da pesquisadora Barbara Ainsworth e publicado em 2000, pela Medicine and Science in Sports and Exercise, nos EUA. Uma pesquisa feita no Brasil chegou aos mesmos números.

É normal ter dores nas pernas após o exercício?

Se os exercícios são feitos progressivamente, aumentando gradativamente e usando-se o calçado ideal (um tênis confortável e com amortecimento) não deveria haver dor. A dor é indicativa de que você ultrapassou seu limite.

Mas há um tipo de dor, bastante comum, em quem está começando uma atividade física como a caminhada, que é a dor do músculo tibial, que fica na direção da canela. Ela é causada pela flexão do pé. Normalmente não é nada grave.

Para evitar esse desconforto do músculo tibial e outras dores, é importante também que o exercício seja dividido em quatro fases: aquecimento (uma caminhada mais leve de alguns minutos), o alongamento dos músculos, o exercício em si e uma série de alongamento no final.

Caso a dor persista, claro, é bom ir ao médico, pois pode haver algum comprometimento anterior da articulação, da musculatura, ou da pisada.